TECIDOS DE INVERNO

 

Mesmo no Inverno, muitos de nós não perdemos a oportunidade para nos mantermos activos fisicamente, quer seja na prática de outros desportos ou mesmo na prática do nosso "desporto rei ", o ciclismo.

Porém, quando o frio aperta e a chuva encharca, para além de ficarmos pouco receptivos à prática de desporto, muitas vezes não temos os equipamentos necessários e adequados para fazermos face às intempéries adversas e tal serve-nos de desculpa para deixarmos as bicicletas paradas, sem aproveitarmos dias magníficos de Inverno que nos podem proporcionar experiências únicas e gratificantes, principalmente no nosso Monsanto.

Deixemos assim as desculpas e vamos equiparmo-nos correctamente para enfrentar os dias frios e/ou chuvosos que o Inverno nos oferece.

Para além do método das "3 camadas" de vestuário - uma base fina e quente, respirável e confortável, uma camada intermédia com propriedades de acumulação de calor e manutenção térmica ideal, mas igualmente respirável e uma terceira, exterior, mais eficaz ainda com propriedades de corta-vento e impermeável, mas também respirável - é conveniente sabermos o que cada tecido/tela pode fazer pelo nosso conforto e bem estar quando pedalamos nos dias de Inverno, de preferência os mais quentes e secos.

A palavra respirável é tão insistentemente repetida, porque a "respirabilidade" de um tecido técnico é tão importante como as suas características térmicas, isolantes e impermeáveis.

Pretende-se com isto, esclarecer aqueles que, ou por falta de informação ou porque só agora se iniciam nas lides da pedalada, possam escolher, de entre os diversos tecidos de Inverno, aqueles que se adequam mais a cada um.

Existem as fibras naturais (algodão, lã, seda), fibras artificiais, fabricadas a partir de matérias naturais tratadas quimicamente (acetatos, viscoses, que têm como atributos o seu baixo preço, e são geralmente bons isolantes térmicos) as fibras sintéticas fabricadas a partir de produtos petrolíferos transformados (poliéster, poliamides, polypropileno, acrílicos, elastanos, etc., que têm como atributos serem hidrófobas - não absorvem a água - resistem bem aos agentes atmosféricos e agentes de tracção, secam rapidamente, e são em muitas das suas versões, tecidos confortáveis), e a s fibras inorgânicas, fabricadas a partir de carbono, quartzo, basalto etc., e que são somente utilizadas em tecidos específicos e técnicos.

Dos tecidos ou telas que mais se conhecem e que mais têm servido para a confecção de vestuário para ciclismo e que poderemos encontrar á venda no mercado português, temos:

WINDSTOPPER: Tecido/tela, estudada, fabricada e aperfeiçoada pelos engenheiros da sociedade Gore, constitui uma protecção muito eficaz contra o vento e o frio. O Windstopper é uma membrana de polímeros, que impede a entrada do vento, sem impedir contudo a saída do vapor de água, devido á transpiração. Tecnicamente a membrana de Windstopper é geralmente implantada ou entre dois tecidos (dupla) ou somente a um tecido exterior (simples). Os tecidos em que a mesma membrana é implantada, podem ser ou tecidos de malha polar, tecidos impermeáveis ou outros. Pretende-se com estas aplicações, criar um efeito termo-regulador. Uso mais aconselhado: como 2ª ou 3ª camada

GORE TEX: É uma tela muito técnica, que permite conjugar impermeabilidade e isolamento térmico contra o vento, permitindo contudo a passagem dos vapores de água da transpiração para o exterior, permitindo que o ciclista não fique "empapado" no seu próprio suor e causando por conseguinte um arrefecimento do corpo. O Gore Tex é uma membrana composta por dois polímeros, um dos quais o politetrafluoretileno ( PTFE ). Esta membrana contem milhares de micro poros, 20.000 vezes mais pequenos que uma gota de água mas 700 vezes mais grossas que uma molécula de vapor de água. Assim, a chuva e a neve não penetram nesta membrana mas o vapor de água devido á transpiração, é passado para fora do vestuário. Para além do mais, geralmente um equipamento feito em GoreTex recebe uma ulterior impermeabilização, de modo a que a água da chuva escorra pelo vestuário, não ficando assim retida. Uso mais aconselhado: 3ª camada

MALHA POLAR ( Polartec ou outras ): É o nome que se dá a uma lã sintética, que é utilizada para o fabrico de certos equipamentos cuja prioridade é proteger eficazmente o utilizador do frio. Fabricada a partir de micro fibras de poliester, lycra e nylon, os vestuários feitos neste material são extremamente quentes, leves e deixam também passar um certo grau de vapor de água de dentro para fora. São vestuários extremamente confortáveis e elásticos.São antes de mais bons tecidos contra o frio e se molhados, secam rapidamente. A firma Malden é a única fabricante do chamado Polartec, que se desdobra em 3 categorias, segundo a intensidade de isolamento que se pretende: Polartec 100 - óptimo para ficar junto ao corpo Polartec 200 - ideal como equipamento de 2ª camada Polartec 300 - só usado como vestuário exterior e em condições extremas não será o caso de Portugal). Uso mais aconselhado: Excelente para o frio e como se desdobra em diversas gramagens, ideal para 1ª, 2ª ou 3ª camadas. Existem outras marcas de malhas polar, mas a original e mais conceituada é sem dúvida o Polartec

CAPILENE: É utilizado para vestuário desportivo interior ou de 1ª camada, leves e confortáveis. Capilene dispersa a transpiração da pele, sem contudo a absorver. Pode ver-se o Capilene a ser utilizado conjuntamente com malhas duplas mais grossas e exteriores, de forma a formarem um equipamento completo e performante contra o frio. Uso aconselhado: 1ª ou 2ª camada

EXITEX / SOFITEX 2000: Duas telas semelhantes com nomes diferentes e de fabricantes diferentes. São tecidos muito agradáveis ao tacto, ligeiramente satinados e 100% sintéticos. A sua construção exterior micro porosa, reclama até 30% de melhoria de evacuação da humidade interior. Por outro lado as restantes fibras empregues no interior, garantem a qualidade térmica, captando naturalmente o próprio calor do utilizador, o que permite enfrentar o frio, com vestuários leves. Uso aconselhado: 2ª camada

WINDTEX / MANTOTEX / A-TEX: Mais 3 fabricantes com telas semelhantes, com designações diferentes. Trata-se de uma membrana corta-vento, leve, elástica, repelente de água, respirável, que oferece um grande conforto térmico. Está actualmente muito em voga, devido às suas qualidades e boa relação preço/desempenho. Uso aconselhado: 2ª camada

THERMASTAT ( Du pont ): É uma real tecnologia de ponta, no domínio da protecção contra o frio, 45% poliester, 42% poliamide e 13% elastano ) e age como um verdadeiro termostato, sendo a sua eficácia térmica excelente. Não só re-aquece o utilizador rapidamente mas mantém também uma temperatura ideal. Graças às suas moléculas, adapta-se às condições físicas do utilizador, permitindo manter um conforto e nível de calor óptimos. É também dotado de uma excelente capacidade de evaporação do vapor de água. Uso aconselhado: 2ª camada

RIPSTOP: Tecido de propriedade da marca Jeantex, que o utiliza para o fabrico dos seus equipamentos de vestuário. Semelhante em quase tudo ao Exitex, com excelentes propriedades de corta-vento e de expulsão de vapor de água para o exterior. Uso aconselhado: 2ª camada

MERAKLON: Tecido para roupa interior, da firma Norueguesa Brynje. Tem uma capacidade excepcional de respirabilidade, o que proporciona, em conjunto com outros equipamentos, um grande conforto térmico. Uso aconselhado: 1ª camada

THERMOPOWER: Tecido de fabrico da empresa Gore, que como o nome indica, beneficia de qualidades térmoreguladoras fora do comum. É composto por fibras de polyester e elastano.Seca rapidamente. Muito idêntico tecnicamente ao Thermastat da Du pont. Uso aconselhado: 2ª camada 

LYCRA: A lycra só por si não deverá ser usada no inverno, a não ser que seja cardada por dentro com malhas de poliester e com malhas intermédias de neoprene de modo a isolar o corpo do frio.


Em jeito de conclusão, nem tudo o que está acima corresponde à realidade, apesar das boas intenções dos fabricantes.

Se por um lado a maior parte dos tecidos descritos oferecem uma real barreira contra o frio e a água, nem todos são tão "respiráveis" como se quer fazer crer.

Por isso, o investimento em marcas de vestuário que utilizem telas de marcas mais conhecidas e conceituadas, seja desde logo um bom investimento para quem quer andar de bicicleta no Inverno.

Partindo da experiência de vários ciclistas com as seguintes telas, a opinião deles é a seguinte:

Poray 5000 - Pretende-se que seja idêntico tecnicamente ao GoreTex: Eficaz contra o vento e chuva. Respirabilidade mediana.

Mantotex - Realmente eficaz contra o frio,corta vento mediano e boa respirabilidade. Aguenta bem a chuva apesar de ser somente repelente de agua; mantém a temperatura do corpo e seca rapidamente.

Sofitex 2000 - Tecido mais maleável e por conseguinte eventualmente mais confortável que o Mantotex. Fraco como corta vento, a não ser que tenha uma membrana tipo GoreTex pelo lado de dentro.(è o meu caso).Para dias mais amenos; aguenta bem a chuva, mantém a temperatura do corpo mesmo ficando molhado e seca rapidamente; boa respirabilidade;

Windstopper - Eficaz como corta vento, repelente de água e boa respirabilidade;

Polartec 100 - Excelente como primeira camada. Muito confortavel, mantem o corpo seco; Polartec 200 - Eficaz em dias frios mas secos. Chovendo, fica ensopado, mas seca rapidamente. Boa respirabilidade Polartec 300 - Extremamente quente. Óptimo para depois do exercício para não arrefecer ou para andar em dias muito frios, pois o calor que origina é enorme e por conseguinte pode tornar-se incomodativo durante o exercício, em dias mais amenos.

GoreTex - Eficaz contra o vento e chuva. Boa respirabilidade.

Thermopower - É efectivamente quente, extremamente confortável, mantém bem a temperatura do corpo, não deixa arrefecer e tem boa respirabilidade.